O exemplo dos japoneses: Lixo no lixo

Os japoneses que estão entre nós acompanhando os jogos da Copa do Mundo deram um bonito exemplo de civilidade, que ganhou manchete em todos os jornais. Após as partidas, um grupo de japoneses recolhe o lixo que eles mesmos geraram e, por descuido, não foi descartado no lugar correto. Habitantes do mesmo planeta em que vivemos vieram do outro lado do mundo para mostrar que é possível cuidar do que é nosso e também do que não é.

Sabemos que em uma coletividade, onde circulam milhares de pessoas, sempre haverá um pequeno número de pessoas que destoam da maioria. Mesmo conhecendo o certo, sendo orientadas, insistem em fazer aquilo que é errado. Nosso Condomínio não é exceção. Os avisos colocados nas lixeiras, mostrando o que deve ser colocado no duto ou deixado próximo a ele para ser recolhido pelo pessoal da limpeza não tem dado os resultados esperados. Ainda há quem jogue garrafas pelo duto coletor e deixe restos de comida e fezes (de animais e humanas) ao lado da portinhola de entrada. Outros, chegando ao extremo, urinam pelos corredores. Este não é um procedimento de pessoas civilizadas, que moram em uma região bastante valorizada, pagando uma das mais altas taxas de condomínio e serviços, se comparados com prédios vizinhos.

O que diz o Regulamento Interno aprovado em Assembleia de 7 de dezembro de 2002:

5.6 O lixo e detritos deverão ser lançados no tubo coletor, devidamente acondicionados em sacos plásticos, de dimensões menores do que 40 cm. Objetos tais como : latas, garrafas, caixas e outros quaisquer materiais sólidos de grande volume deverão ser deixados no compartimento da lixeira de cada andar, mantendo-se sempre a porta fechada, para serem dali removidas pelo pessoal da limpeza do Condomínio. De maneira especial, é proibido o lançamento de recipientes do tipo “spray” (vaporização de inseticidas, odorizantes, etc.) ou contendo resíduos inflamáveis (cola, verniz, cera, álcool, gasolina, etc.) em virtude dos riscos de explosão e incêndio. As empregadas domésticas devem ser instruídas no sentido do fiel cumprimento destas normas, bem como para que evitem sujar as paredes e piso dos corredores ao transportarem o lixo.

Já publicamos alguns artigos sobre o assunto:

Se cada um fizer a sua parte (a maioria já faz) o Jóia da Barra será cada vez mais um lugar especial para se viver. Cabe a cada um de nós orientar, contribuir com o exemplo e fiscalizar.

Os ratos costumam ir onde há lixo, esteja onde estiver. Altura não é obstáculo para esses roedores, hábeis em passar por debaixo de portas ou pequenos orifícios, subindo por dutos e paredes. Por esse motivo, além de não deixar alimentos espalhados pelo chão da área da lixeira, a portinhola deve estar sempre fechada.

lixo1

 

Como funciona a reciclagem no Jóia da Barra:

Permanência nos corredores – uso das partes comuns

Embora não haja explicitamente no Regulamento Interno nada que proiba a permanência de moradores e convidados nos corredores, esta deve obedecer a normas de conduta, respeitando o direito dos demais moradores. Reuniões devem acontecer nas nossas residências ou nas áreas externas destinadas a esse fim, como piscina, churrasqueiras, quadras de esportes, parque infantil, etc.

Recentemente um tapete foi retirado da entrada de um apartamento e jogado no tubo coletor de lixo. Logo adiante, no mesmo andar, um enfeite natalino desapareceu da porta do apartamento onde havia sido colocado.

São fatos desagradáveis, mesmo que tenham ocorrido por simples brincadeira.O direito de um acaba onde começa o direito do outro. É o mínimo que se espera de todos para uma vida harmoniosa em condomínio residencial.

Sobre o uso das partes comuns, é bom lembrar o que diz o regulamento interno:

2.1.2 Os visitantes e convidados somente poderão usufruir das partes comuns do Condomínio, quando acompanhados por moradores. O morador assumirá, para todos os efeitos legais, a responsabilidade pela manutenção do respeito e das boas normas de conduta e convivência social, assim como, zelando pelo patrimônio do Condomínio, por parte de seus visitantes e convidados, reprimindo abusos e excessos e afastando pessoas cuja presença seja considerada inconveniente.

2.1.4 Os moradores assim como os visitantes, convidados e menores sob sua responsabilidade, devem aos demais a obrigação de manutenção de respeito, urbanidade e das boas normas de conduta e convivência social, reprimindo abusos, excessos e agressões físicas e verbais e atentatórias ao pudor paz e segurança.