Nosso Jardim: Pau Brasil

Todos os dias passamos pela área de estacionamento e nem reparamos nas árvores que convivem conosco. São espécies nativas da região, algumas bem conhecidas, outras não. Provavelmente estarão aqui acompanhando o crescimento de nossos filhos, netos e bisnetos, mesmo após a nossa partida. São totalmente dependentes da nossa atenção e cuidados. Algumas, mesmo sofrendo com o calor, falta d’água, terra ruim, galhos quebrados em atos de vandalismos, motoristas desatentos, insistem em sobreviver e nos  servir com sua sombra e beleza.

Os jardins do nosso condomínio nunca estiveram tão bem cuidados. As plantas entendem o carinho que recebem e agradecem, retribuindo a atenção com folhas verdes e mostrando um crescimento sadio e acelerado.

Aos poucos vamos apresentando algumas espécies da nossa flora.

Pau Brasil - Foto de Paulo Teixeira

Perto dos blocos 3 e 4 temos um pequeno arbusto – pelo menos assim parece pelo seu tamanho reduzido – que agora começou a se desenvolver. Trata-de de um “Pau Brasil“, que todos conhecemos de ouvir falar, desde os primeiros anos escolares. Foi a madeira dessa árvore, de cor de brasa, que inspirou o nome do nosso país.

O pau-brasil (Caesalpinia echinata Lam.), também chamado arabutã, ibirapiranga, ibirapitanga, ibirapitá, orabutã, pau-de-pernambuco, pau-de-tinta, pau-pernambuco e pau-rosado, é uma leguminosa nativa da Mata Atlântica, no Brasil. (Wikipédia)

Já encontrei dois pés no estacionamento. Olho para eles com certo respeito, como faço com todas as árvores, mas eles despertam uma maior admiração. Talvez seja pela sua fama e importância histórica.

Detalhe das folhas do Pau Brasil - Foto de Paulo Teixeira
Detalhe das folhas do Pau Brasil

(Pela Lei 6 607, de 7 de Dezembro de 1978, o pau-brasil foi declarado árvore nacional do Brasil)

Características (Wikipédia):

  • A árvore alcança entre dez e quinze metros de altura e possui tronco reto, com casca cor cinza-escuro, coberta de acúleos, especialmente nos ramos mais jovens.
  • As folhas são compostas bipinadas, de cor verde médio, brilhantes.
  • As flores nascem em racemos eretos próximo ao ápico dos ramos. Possuem quatro pétalas amarelas e uma menor vermelha, muito aromáticas; no centro, encontram-se dez estames e um pistilo com ovário súpero alongado.
  • Os frutos são vagens cobertas por longos e afiados espinhos, que devem protegê-los de pássaros indesejáveis, pois estes comeriam os frutos. Contém de uma a cinco sementes discoides, de cor marrom. A torção do legume, ao liberar as sementes, ajuda a aumentar a distância da dispersão.